Nota oficial do vereador:

Em junho de 2012, iniciou-se uma campanha difamatória e leviana com o propósito de atacar a minha imagem. Certamente, mexi com muitos interesses, dos quais não me arrependo, mesmo que agora tenha pela frente a batalha mais dura da minha vida. Atacaram minha honra e minha história como esportista, judoca e campeão olímpico, além de minha conduta como homem público. Diferentemente dos tatames, agora o adversário não se apresenta, preferindo se esconder por detrás de fatos e informações infundadas. Desconfio sobre a origem dessa campanha, mas apenas o tempo me dirá quem são aqueles que hoje querem me calar. Nada temo; nada tenho a esconder e, por isso, estou certo de que provarei minha inocência na Justiça, perante os meus pares, na Câmara Municipal e, principalmente, perante a sociedade e meus eleitores que, pela terceira vez consecutiva, me confiaram um mandato como vereador da maior cidade do País.

Nessa breve cronologia, explicarei porque essa tentativa de “assassinato de reputação” não terá sucesso.


Tudo começou no dia 14 de junho, quando o jornal Folha de S. Paulo publicou reportagem com base na denúncia de uma ex-diretora de uma grande empresa do ramo imobiliário que administra shoppings na cidade de São Paulo. Tais acusações partiam apenas “do ouvi dizer” de tal funcionária que, inclusive, responde hoje a processos de sua antiga empregadora que a acusa de estelionato e apropriação indébita.

Aurélio Miguel