Prezado Editora do Caderno Metrópole de O Estado de São Paulo,
 
No último domingo (23 de março de 2014), às páginas A28 e A29 do caderno Metrópole desse jornal, foi publicada uma matéria sobre os gastos dos vereadores paulistanos. Atendendo ao pedido de uma funcionária dessa redação, Adriana Ferraz, a assessoria de Imprensa do vereador Aurélio Miguel elaborou uma nota oficial respondendo aos questionamentos apresentados por ela.
 
Entretanto, o jornal ignorou as informações passadas e tratou o assunto sem nenhum cuidado profissional. Explorando ao máximo as artimanhas de uma manchete exagerada (desmentida pelo conteúdo da matéria) e de uma foto/legenda cuidadosamente colocadas naquele espaço, o jornal tenta confundir o leitor de maneira deliberada. 
 
Se não bastasse o erro de publicar uma mentira como se fosse verdade, o jornal erra novamente ao afirmar que o vereador Aurélio Miguel se comprometera a alterar a forma de divulgação de seus gastos. Em nenhum momento a repórter tocou nesse assunto, muito menos a nota oficial (ver anexo) emitida faz referência a esta questão.
  
Enfim, não buscamos condescendência ou elogio fácil desse jornal, mas o que não podemos admitir é a manipulação escancarada da informação, solapando a verdade em detrimento do falso escândalo.
  
Gabinete do Vereador Aurélio Miguel
Assessoria de Imprensa 



Prezada Jornalista


Adriana Ferraz,
Aurélio Miguel foi, durante o ano de 2013, o sexto vereador com menor gasto de gabinete (fonte: O Estado de São Paulo – 03/02/2014). As despesas de seu mandato em 2013 representaram apenas 44% da verba total destinada ao seu Gabinete na Câmara Municipal de São Paulo. Desse montante, cerca de 34% são referentes ao aluguel de um carro e serviços de correio. O pagamento dessas despesas são realizadas diretamente pela Câmara Municipal, pois obedecem  a  contratos assinados entre o Parlamento Municipal e a locadora de autos e o Correio, respectivamente. Portanto, os recibos de pagamento não permanecem junto com os demais documentos de prestação de contas do Gabinete. Mesmo assim, esses valores são descontados na cota reservada para a despesa do mandato.
O vereador Aurélio Miguel não se opõe a que haja novos mecanismos que permitam ao cidadão ter acesso facilitado à comprovação de todas as despesas oriundas do trabalho legislativo de cada vereador.  Inclusive, no caso específico solicitado, relativos à locação de autos e pagamento de serviços de correio.
Quanto à mistura de gastos públicos e privados apontada pela jornalista isso não se verificou. As notas fiscais apresentadas na prestação de contas do Gabinete são pagas com dinheiro do vereador. Posteriormente o documento é apresentado para o setor competente da Câmara que faz a análise para autorizar o referido reembolso.  Em um único mês, especificamente no dia 04/02/2013, houve lançamento equivocado em nota fiscal de material que não é utilizado para os trabalhos legislativos. O engano, equivalente a R$ 26,40 (vinte e seis reais e quarenta centavos), foi detectado e esse valor não foi reembolsado, sem nenhum prejuízo para os cofres públicos e à lisura e clareza da prestação de contas.
 Assessoria de Imprensa


Gabinete Vereador
Aurélio Miguel